"Quando o coração tem uma missão, o corpo ganha vigor"

Ainda por aqui.


Parei de escrever sobre provas, treinos e outros assuntos relacionados com o tema nadapedalacorre e virei quase um Forest Gump.

Mas antes de voltar a essência que o blog foi criado, rapidamente uma mini-historinha que lembrei para quebrar o gelo.

Após uma pancadaria na volta da capela (apanhando na roda do Michel e Jorge), já na zona urbana da Cidade, as meninas mais assanhadas sempre gostam de lançar olhares e piadinhas sobre os corpos atléticos (uns mais e outros bem menos) revestidos de lycra.

Num desses comentários sem vergonha, (que nem lembro qual foi) o Michel fazendo uso das suas rodas novas de carbono de perfil alto lança – “as mina pira nas 80mm”. Para quê, as últimas forças que tinha para chegar em casa foram desperdiçadas com muita risada.

Se elas soubessem os valores das 80mm com certeza iam pirar.

No longínquo inicio de março comentei que iria fazer o Longa Distância da Cidade de Osório-RS, e quase não terminei a prova. Um calor muito forte deixou a etapa da corrida um inferno, caminhei boa parte da corrida. Em alguns momentos era até engraçado, nem parecia uma competição e sim um passeio, tal a quantidade de gente caminhando na prova.

                                                            

Foi a prova que mais sofri nos quatro anos de triathlon. Eu e o Marlos ainda tivemos a infeliz ideia de ir pedalando do hotel até o local da largada, mais 14km nas costas.

Ainda em março participei da 2ª etapa do zona sul de ciclismo, prova realizada em dois dias. No sábado um CRI (dados aqui)  e no domingo prova de estrada (dados aqui).



Já em abril, triathlon na vizinha Rio Grande. Prova muito bacana, com largada estilo escape from alcatraz.
Fiz uma boa prova, fechei a natação em 9’ pois a corrente estava ajudando muito, mas não consegui me posicionar bem no ciclismo, acabei puxando um trem no ciclismo inteiro. Mesmo assim consegui correr muito bem.



Fato triste ocorreu logo na largada, um pé veio direto no meu braço e...adeus GPS...nas profundezas do atlântico.  



Lado positivo, nossa equipe foi a campeã da prova e eu colaborei com um 4º lugar no age.  



Agora deixando um pouco de lado o que fiz e falar do que vou fazer. Sem mencionar as provas locais que vão surgindo no decorrer do ano, vou para o 70.3 de Penha em agosto e encarar novamente o Ironpunta no início de dezembro.

Tempo razoável para fazer uma boa base até o 70.3 e após três meses com foco no Iron almejando algo mais que apenas completar a prova.

Não comentei sobre colocações, distâncias e tempos das provas, pois atualizei a aba resultados com os mesmos.

3 comentários:

Força ai! Foi uma boa leitura deste seu post agora! Mais uma injeção de animo na programação dos treinos!

Bom saber que vc ainda vive, risos....
ABS !!!!

Parabéns pelo teu espaço ! Bons treinos !! Meu carinho.

Postar um comentário

Obrigado por visitar Bravo Triathlon