"Quando o coração tem uma missão, o corpo ganha vigor"

Ironpunta 2011

Como o óbvio é começar pelo início, então vou chover no molhado, partindo do começo. Sempre imaginei que este relato teria muita dor, sofrimento e um final feliz. Mas acho que fiz direitinho o dever de casa nos seis meses que antecederam a prova e sobrou só o final feliz.

Saí rumo a Punta na segunda 28/11, viagem muito tranquila. São quase 530km desérticos até lá.

Na terça cedinho fiz o reconhecimento do local da maratona e a tarde treino de natação no local da prova. Na quarta o tempo virou, e o vento estava a 60km/h com rajadas de 85km/h. Se arrependimento matasse, tinha batido as botas neste dia, pois peguei a bike para um treino e só passei trabalho. Até tomei um chopp a noite para ver se esquecia do vento hehe.



Mas a preocupação com o vento não passou, e todo acesso a internet consultava o windguru para ver o intensidade no dia da prova.

Quinta o tempo deu uma melhorada e soltei pernas com uma corrida. Na sexta, as últimas braçadas antes do dia D.



Sábado, dia de almoço no Conrad e congresso técnico. Tive a oportunidade de bater um papo com Newton, vencedor da prova e o Vagner da Mundotri.

Quando voltei para o hotel e comecei a organizar as sacolas, adesivar capacete e bike começou a cair a ficha, não tinha volta.

Dormi muito pouco, mas como "apaguei" nos outros dias, estava tranquilo em relação ao sono.

Despertei 04:30, reunião com o pessoal, despachei todo mundo, café no quarto e parti para o local da prova.

Aquela ansiedade que atormentou minha noite de sono desapareceu, eu e a Vivian fomos caminhando até o estacionamento do Conrad, onde estava montada a área de transição. No trajeto rolou um papo descontraído com direito a fotos pelo caminho.



Perto do check-in notei que meu cateye não estava funcionando. Num treino com o Michel aconteceu o mesmo, simplesmente parou, dei um reset e voltou a funcionar. Mas desta vez não adiantou. Pedi a Vivian para voltar ao Hotel e pegar o GPS de pulso, para não "navegar" as escuras.

Nem este percalço tirou-me a calma, não pensava mais adiante que o próximo passo. Um aquecimento rápido na água, foto com o Michel, beijo de despedida da amada e.......dada a largada.


Saí do meio para o fim, até a primeira bóia tudo jóia, sem maiores intercorrências. 36' passados estava saindo da água para contornar o cone e ir para a segunda volta. Tomei um copo de água para tirar o sal da boca, uma ajeitada no óculos com todo o carinho e mar novamente. Nesta volta perdi um pouco de tempo na última perna que nos trazia para a praia, pois a visibilidade era quase nula em virtude do sol que nascia atrás do pórtico.



O vídeo não deixa mentir o tempo: 1h14'50". De 5' a 10' menos do que eu esperava. O dia tinha começado bem.



Fiz uma transição tranquila, perdi um pouco de tempo colocando um protetor solar em spray, que ao longo da prova mostrou-se ineficiente. Fui para o pedal com praticamente 5' cravados de transição.



Aí que o diabo começou a colocar os chifres de fora, o vento soprava forte. Ida contra, com a volta a favor.
A estratégia era de não ultrapassar 160bpm para não chegar quebrado para a corrida. Contra o vento para manter os bpm planejados não conseguia ir a mais de 25km/h.



E o diabo dá mais uma cutucada, tu começa a ser ultrapassado e o sangue começa a ferver, perna sobrando e o instinto falando alto, acelera essa M....daí a cabeça faz a diferença, - calma Bravo é só o início, faz o planejado, o que tu treinou, pois tem muito chão ainda, e claro, neste caso, a cabeça não precisa ser de um gênio, basta não ser de um idiota.

Um pouco antes dos 80km lembro de ter visto o gps a última vez ligado e a média em torno de 31km/h. A estratégia montada estava dando bons frutos. Aos poucos comecei a recuperar as posições perdidas no início e ganhar outras. Olhando os resultados  saí da água na 74ª posição e entreguei a bike na 56º.



Terminei o ciclismo com média de 30.08km/h. Conclusão que dá para tirar, o vento quebrou um bocado na segunda metade do ciclismo. Apesar de ter perdido 1km na média, ganhei 18 posições. (não contando os que me passaram durante a primeira parte do ciclismo)

Fato triste, é um pedal com distância de IRONMAN com 160km. Lástima maior é ser avisado durante a prova (minha fotógrafa não perdeu nada hehe). Não tenho dado sorte nas provas que faço fora dos domínios do estado.



Cheguei na transição, e lembrei de uma frase do Kiko - a única coisa que pode me tirar da prova é um problema mecânico na bike. Bah, era só chegar agora hehe.



Pelo horário que vi na máquina fotográfica, entre a chegada e saída da transição levei uns 6'. Minha meta para o último trecho era tentar correr ao menos 21km. Após o halfpunta em março, voltei a ter problemas com o iliotibial, o que acarretou num retorno bem conservador a corrida. E quando estaria no ciclo de maior volume, tive que tratar o cálculo renal, resumindo a corrida ia ser uma incógnita, pois nos treinos os km não passaram de 17.



Parti tranquilo para as quatro voltas, os batimentos estavam estabilizados e as pernas respondendo bem aos estímulos. O circuito era todo plano, a beira-mar. O vento estava tão forte que incomodava até na corrida. A cada posto de hidratação, dava uma uma caminhada para hidratar-me e comer.



Quando fechei a meia-maratona e senti que tinha perna, acho que foi um dos melhores momentos na prova. A Vivian perguntando - tu tá bem? Simmmmmmmmmmm e só faltam duas e vou terminar correndo.



Entrei para os últimos 10.5km muito feliz, dizia para mim mesmo - Seu louco vais conseguir correr a maratona inteira, acho que só não ria sozinho pois as coxas a essa altura do campeonato iam de mal a pior.



Os últimos 5km até o retorno que íamos contra o vento foram sofridos demais. No retorno meti o último gel para dentro da carcaça, olhei o polar 10h36' de prova. Era o momento de deixar todo o conservadorismo de lado, e ser agressivo, tentar chegar abaixo das 11hs.



Nosso corpo é uma máquina incrível e a cabeça nem se fala. Sabe-se lá de onde o cara consegue tirar forças para dar uma acelerada após 200km rodados.



No último km, quando vi que a batalha contra o relógio estava perdida, soltei os gambitos. O dia passou voando, rápido demais, tentei aproveitar ao máximo aqueles últimos momentos. O esforço dos últimos seis meses estavam prestes a se concretizar, chegar ao fim de um Ironman.



Cronometragem oficial: 11h03'04" - Swim+T1:1h19'49" - Bike: 5h19'10" - Bike+T2: 4h24'05"

Resultado muito melhor do que eu esperava. Divagar sobre se não tivesse o cálculo renal, se não tivesse caído de bike e se o ciclismo tivesse 180km, mas "se" não existe, não vale a pena gastar tempo com isso. É mais fácil fazer outro sem esses fatores hehe.

Obrigado ao André que deixou a máquina pronta para a batalha e sempre me tranquilizou quando retornava um e-mail com o treino da semana com a seguinte expressão: A semana foi quebrada, perdi tal e tal treino.

Aos amigos que me acompanharam durante os treinos, deixando eles menos cruéis.



E minha amada, que aguentou por longos meses o mesmo papo sempre e me cuidou na minha enfermidade.

14 comentários:

V a l e u !!!!!!!
Parabens !!!!!!!
Uhuuuuuuuu

Que legal, Pablo! Foi lá e mandou bala! Parabéns!!!

Puta que pariu, entrou um cisco aqui nos olhos... ;-))))

Cara, agora você pode ver como as coisas em um Iron são diferentes, né?

Fiquei vendo o jeito de você correr e, pensei, "putz, não importa se terminamos em três ou seis horas a bendita maratona, mas o jeito que de correr é igual para todo mundo".

Quando vi você ali na orla, correndo, parecia que eu estava lá também...

Porque acho que todo triatleta corre daquele jeito...é uma coisa diferente...

Outra coisa é que as vezes penso que deveriam desligar aquele relógio do pórtico porque isso realmente não importa.

Pablo, o que são 11:03 ou 10:59?

O que importa é lidar com aqueles demônimos todos, tal como você escreveu no ciclismo!

Parabéns meu velho!!!!!!

Pablo, antes de mais nada Parabéns !!
Cara que prova show, que trabalho mental, que disciplina... enfim, vc foi premiado por tudo isso... SENSACIONAL !!!

Estava doido para ler um relato de IronPunta, mas este seu ficou melhor do que estava procurando...

Ahhh, só mais uma coisa, "se" de fato não existe e com relação a distancia da prova, isso é preocupação para o organizador e não para nós que estamos ali competindo.

Enfim, parabéns por este sensacional Iron.

Abcs
Wlad
http://www.triathlonsemgluten.com/

Como foi legal ser lembrado por você em um momento tão especial, fico feliz em ter "ajudado" de alguma maneira.
Cara essa prova é foda, tive que baixar o som das caixas aqui porque incomodou o "zumbido" do vento.
Natação perfeita, pedal controlado e uma maratona feita sem problemas e com poucos volumes de treino, como citasse.
Fiquei bastante feliz por ti, mais um para o bando de loucos.
Deu uma coceira para fazer essa prova ano que vem amigo. Abração Pablo.

Parabéns cara, prova sensacional !!!! Lugar e viagem idem.

Abraço e vamos em frente !!

Este comentário foi removido pelo autor.

Bravo!! Serve como vocativo e como interjeição de aplauso. Bom nome tu tem, hein?!

Cara, parabéns!!
Pq é chão (e água) que tu percorreu! Parabéns!

Parabéns pela conquista! Teu relato foi muito legal.
Abraço!

MEUS PARABÉNS MESMO!
É quase como ir nadando de Rio Grande à S.J. Norte, depois pedalando de Pelotas à Bagé e, finalmente, correndo de Bagé à Aceguá. Tudo isso sem intervalo. Barbaridade! Se não fosse o meu filho me contar eu diria que é "humanamente" impossível.
Abraço,
Antônio Henrique Karam

---------\\\\|/---------
--------(@@)-------
--ooO--(_)--Ooo--
Pablo torno a repetir mais uma vez vc diz que eu sou fera das Ultras e eud digo que vc é fera no triathlon cara é coisa de louco fazer tudo isso em algumas horas nadar, pedalar e correr sou seu fã parabéns por mais uma concluída para seu currículo esportivo os vídeos e fotos ficaram showwww.
E aí já fechou a temporada de 2011??? Boas festas e que Deus te abençoe com muita saúde e disposiçào e que em 2012 vc volte arrebentando...Valeu campeão...

Um abraço,

Jorge Cerqueira
www.jmaratona.com

Grande Pablo,

o cara que não é "bravo" só no nome... hehehhe!!!
Tchê, demorei para me manifestar aqui sobre a tua conclusão do IM... fiquei pensando no que dizer e tal, mas no fim foi passando...

Bueno, tu foste o cara que me apresentaste esse tal de "triathlon", por isso, não sei se te agradeço ou te "mando longe"... hauhahuhaha!

Me lembro do cara conversando sobre isso no final de 2008, na natação: "baaah, que loucura, nadar 3,8k, pedalar 180k e correr uma maratona... isso não é coisa pra quem trabalha ou não vive disso..." era uma coisa inatingível... ainda mais pra uma pessoa que tem um ritmo puxado de trabalho, como é o caso...

Maas, treinaste, devagar e sempre, com sabedoria e consistência... e foste evoluindo. Então, almejando competições de maiores distâncias, colocaste na cabeça fazer o IM E FIZESTE. Aplicaste, na prática a famosa máxima "vim, vi e venci"!

Pois é cara, tu é um IM, PARABÉNS!

Para muitas pessoas isso não tem importância alguma. Mas para quem sabe o que é "cloro no lombo" todos os horários de almoço, para quem sabe o que é acordar louco de sono às 5:30AM pra ir pedalar, pra quem sabe o que é tomar chuva na cara e o minuano velho nas orelhas correndo e pedalando no nosso inverno aqui do RS, isso é uma coisa que não tem preço. Tenho certeza que essa conquista vai te acompanhar para o resto da vida. Tu vai encher o peito, daqui uns anos, e dizer para o "bravinho": teu pai é um IM... e ele vai te perguntar como é isso e o que precisa fazer para ser um IM... e tu vai explicar pra ele e esse legado é a melhor "herança" que podemos deixar: o exemplo.

Cara, parabéns, de verdade!

Um grande abraço,

Henrique.

Eu vi de perto teu esforço, aguentei tua ausência, lavei roupas e mais roupas sujas de treino. Fiquei com medo quando voltaste a treinar logo após a tua operação, a tua saúde para mim sempre esteve em primeiro lugar. Na verdade, passei 11 horas e 3 minutos com o coração apertado! Mas vi que tudo isso valeu na hora em que cruzaste a linha de chegada! E que chegada... chegaste como se as 11 horas tivessem sido apenas alguns minutos! Este momento com certeza vai ficar guardado para sempre!

Parabéns! Te amo muito meu marido campeão!

Valeu cara...corri a prova e sei de cada palavra citada acima, fiz meu 9 IM e segundo depois de 2 rupturas dos tendoes de aquiles e ser desenganado pelos medicos, corri pra 5:15 e pedalei pra 28 demedia de tenis pq nao tenho a puxada, fechei pra 12:30. Abraco vc é um campeao!Nos somos!

Postar um comentário

Obrigado por visitar Bravo Triathlon