"Quando o coração tem uma missão, o corpo ganha vigor"

Entrevista André Szucs

Segue abaixo entrevista do André vinculada no site da Cbtri .



André Szucs não é somente um dos grandes triatletas paraolímpicos brasileiros. Ele é um pensador do esporte. Tem visão privilegiada de cada movimento olímpico e paraolímnpico mundiais porque tem na pesquisa uma das suas ferramentas de crescimento.

Portanto, entrevistá-lo após o triathlon ingressar no Programa da Paraolimpíada do Rio 2016 passou a constar na nossa “Ordem do Dia”. E (que bom) ele encontrou tempo em sua agenda atribulada para nos conceder a bela entrevista abaixo.

Após lê-la certamente muitas cortinas deste universo paraolímpico abrir-se-ão. E, se Deus quiser, seu exemplo ampliará a participação de muita gente que quer (e muito) dar o primeiro passo.

Enfim, André se apresenta (só para variar), em sua completa amplitude. Não se deixem seduzir se forem capazes. 

Você que sempre batalhou pelo crescimento do esporte como encara a inclusão do triathlon no Programa da Paraolimpíada?
A Olimpíada é o evento máximo para muitos esportes (salvo o futebol no Brasil). Na hierarquia, de maneira geral, vem em segundo lugar o Mundial, Pan-Americano e assim segue. No caso do paratriathlon, tínhamos o Mundial como evento máximo, organizado pela ITU (União Internacional de Triathlon) por 15 anos, mas isso nunca foi o suficiente para proporcionar à modalidade o respeito e profissionalismo que sempre mereceu, pois a quantidade de participantes sempre foi mínima e de pouca seletividade. 

E agora?
No Brasil, para que uma modalidade tenha progresso, é fundamental que o apoio seja proveniente de Leis Federais, que por caminho natural, vai para nossos Comitês Nacionais, o COB (Comitê Olímpico Brasileiro) e CPB (Comitê Paraolímpico Brasileiro). Hoje esse apoio constitui-se por meio da Lei Agnelo/Piva, sendo que, da arrecadação bruta de todas as loterias federais do país, 85% vão para o COB e 15% para o CPB. O cenário após a inclusão da modalidade nas Paraolímpiadas muda completamente, pois o CPB agora passa a representar a modalidade inclusive com recursos financeiros disponíveis já para 2011, o que desencadeia o "efeito progresso", que se traduz, por exemplo, com a despertar de outros novos para-atletas para a prática da modalidade. 

E o que isso pode gerar?
Gera competitividade, seleção dos melhores e por fim, qualidade. Sou muito positivo em pensar que isso acontecerá nos próximos seis anos. Acredito que isso também acontecerá no mundo inteiro, com cada país e seus respectivos Comitês. 

Já esperava por isso?
Foi uma caixa de surpresa. Prova disso foi que disputamos a vaga com mais seis modalidades: badmington, canoagem, golfe, futebol em cadeira de rodas elétrica, taekwondo e basquete para pessoas com deficiência intelectual. No fim, por seis votos a quatro, a canoagem e o triathlon foram aceitos na inclusão. 

O que foi decisivo?
Esse processo de decisão, certamente teve o impacto de uma mobilização mundial e tivemos como principal "arma" de divulgação, uma comunidade no facebook com quase seis mil pessoas apoiando. 

Como pretende se preparar para a disputa?
Respondendo em nome de todos: seis anos é um período ótimo para "acordar" para essa nova realidade do esporte. O paratriathlon agora sobe de status, exige ainda mais seriedade e profissionalismo de todos. Maiores disputas ocorrerão e pertinente a isso, todos que tiverem interesse pela modalidade terão que entender o processo de classificação funcional, que é o ponto chave para o sucesso ou insucesso de um atleta no mundo paraolimpíco. Sendo breve: classificação funcional é o processo que todo atleta precisa passar para determinar o grau de deficiência que possui e em qual categoria tal deficiência se enquadra para competir em condições justas. 

Como é no triathlon esta classificação? 
No Triathlon, são seis categorias: TR1, TR2 ,TR3, TR4, TR5 e TR6 (Tr1 =deficiência mais severa), TR6 (menos severa). 

Como a classe dos atletas de triathlon paraolímpicos recebeu o fato? 
Tenho certeza que hoje, todos os praticantes da modalidade estão extremamente felizes, como eu, em poder mostrar o nosso trabalho para o mundo em um formato muito mais profissional. 

Você tem uma tese muito interessante como o triathlon ajuda no reforço da auto-estima do atleta paraolímpico pelo seu caráter de superação... 
Essa questão do desafio é muito trabalhado na fase pós-trauma para aqueles que por ventura venham a se envolver em acidentes com lesão física e também naturalmente trabalhado por pessoas que nascem com deficiência. 

Sim...
Já que o triathlon trata-se de três esportes num só, as pessoas que terminam uma prova dessa sentem a incrível energia de missão cumprida, que por sua vez, condiciona a pensar que se conseguem fazer isso, conseguem fazer qualquer coisa. 

Sabemos que o Brasil tem grandes talentos consolidados. E dos novos talentos é possível apostar em algum? 
O Rivaldo Martins é um atleta muito forte, que pratica a modalidade por mais de 20 anos, sem dúvida é uma arma brasileira poderosa! Temos também o Roberto Carlos que já representou o Brasil em vários Mundiais e também já conquistou alguns pódios. O Angelo Borin, que também surpreendeu no último mundial de Paratriathlon que aconteceu em Budapeste/Hungria: ele veio da natação (assim como eu), O Paulo Eduardo Chieffi Aagaard, o Pauê, também já representou uma vez o Brasil no Mundial de Cancun e também se saiu muito bem. Até 2016 muita coisa muda, novas "figuras" com certeza surgirão para animar a festa (risos). É muito difícil "apostar" em alguém agora. 

Como está a sua rotina hoje? 
Sou consultor de markteting/vendas de uma empresa Protesista/Ortesista, sendo que a minha dedicação para conciliar os dois lados precisa ser bem divida, contudo, meus planos com o triathlon estão bem consolidados e pratico por paixão, que é um fator diferencial durante a fase de treinamento. 

Quais planos para 2011? 
Como maior objetivo, inicio meus treinos em 2011 visando ao Mundial de Paratriathlon de Pequin/China de setembro, organizado pela ITU. Também estou planejando competir no Mundial de Ironman no Hawaii em outubro, mas isso ainda depende de um processo de seleção por meio de um sistema de loteria da organização do evento. Estou na expectativa.


Fonte: Cbtri.

Pan Americano em Porto de Galinhas

Quase todos já devem ter lido a respeito do desastre que foi a organização do Pan Americano de Triathlon de Longa Distância realizado em Porto de Galinhas, de todo o descaso e desrespeito com os atletas, colocando centenas de vidas em perigo.

Citando uma frase que recebi por email, resume bem a questão " a organização da prova não merece nosso reconhecimento", então vou compartilhar com os amigos minha epopéia na prova e tentar deixar um pouco de lado o caos que foi a organização da prova.

Cheguei no destino na Quarta (24/11) a tarde. Fui direto ao local da natação, e um susto logo de cara, um mar com muitas ondas e bem mexido, não tive coragem de cair na água sozinho.

Na quinta fui caminhando pelo praia até o "centrinho", cerca de 2km do hotel, lá o cenário é totalmente diferente, sem ondas e águas cristalinas. Nadei uns quinze minutos, observandos corais, recifes e peixes, lugar sensacional!!! Pensei na hora, os caras não vão fazer essa burrice de fazer a natação naquele lugar inóspito. A foto abaixo diz tudo:


Ainda na quinta, na parte da tarde, encontrei os organzidores(tá arruaceiros, foi...que me processem) da prova na praia e ainda estavam procurando o melhor lugar para fazer a largada, e falei que era a dois km daqui, mas disseram que seria ali mesmo. Entrei com eles no mar para umas braçadas, foi o prenúncio do sufoco que seria no domingo.
Para piorar, no sábado a tarde durante o congresso técnico foi informado que as distâncias seriam menores do que o informado. As novas distâncias seriam 2250m de natação, 60km de ciclismo e 15km de corrida. Detalhe, 35% do ciclismo seria em blocos de concretos, em piores condições do que encontramos aqui na prova do Laranjal, pobre das minhas rodas novas.



No domingo 05:30 foi dada a largada, e talvez por força do destino o mar estava em condições piores que dos dias anteriores. Me posicionei junto com triatletas locais que tinham um bom conhecimento do mar da região, e foi o que me salvou. Largamos fazendo um arco por causa da forte correnteza, passando a dura arrebentação a correnteza nos largou diretamente na primeira bóia.

O mar estava muito mexido, o que dificultava enchergar as bóias. Nadei forte o tempo inteiro, mas não visando um tempo bom e sim sair vivo e o mais rápido possível daquele pandemônio.

Na terceira volta já estava exausto, e ainda precisava passar a arrebentação. Sem forças tomei alguns caudos e por consequência uma hidratação forçada com água do mar. Saí totalmenteo tonto, com as panturrilhas travadas. Não consegui nem trotar até a transição, restou ir caminhando.

Tentei reagrupar forças no início do pedal, pensando "vamos lá, o pior já passou", mas o corpo não respondia. Ainda dividia o percurso com motos, carros, ônibus e caminhões, sem falar nos blocos de concretos. Com 2 voltas feitas, eu tinha incríveis 29km/h de média. Aos poucos as coisas foram melhorando e o pedal fluiu melhor, terminei a etapa com 31,5km/h com 63km percorridos.


Na corrida o bicho pegou de vez, me arrastei pelos 15km. Foi a primeira vez que caminhei numa prova,
parte muscular do peito doía muito devido ao esfoço da natação, sem falar nas panturrilhas que toda hora ameaçavam travar. Em alguns momentos tive que correr estilo asa-delta rsrs, a parte interna dos braços e axilas estavam em carne viva, devido ao sal do mar.


Fechei a prova em 4h40min, talvez bem acima do que poderia fazer em condições normais. Mas como o talvez é subjetivo, foi o máximo que deu para fazer. Em números, no age group 14/36. 

Agradeço o apoio de todos, pois foi fundamental para manter-me motivado e confiante para vencer essa batalha.

Sonhando com mais(talvez muito mais) para o próximo desafio, deixo 3 vídeos da prova.










Entrevista para o Blog da Royal Triathlon Team

Pessoal, no link abaixo tem uma entrevista minha no Blog da Royal Triathlon Team, leitura obrigatória rsrs.

Entrevista

Triathlon Cidade de Osório.

Domingo participei do meu primeiro Triathlon Olímpico, que acabou sendo um ótimo treino para LongTriBrazil do dia 28.

Muito bom o local onde foi realizada a prova, com um asfalto perfeito para pedalar. Parabéns a FGTRI pela organização e para a Prefeitura de Osório por incentivar o esporte.

A prova:

Natação - Sofri bastante no início, a temperatura da água estava na casa dos 21º, passei um frio danado. Vou ter que investir numa wetsuit. Minha navegação não foi das melhores, demorei um pouco até acertar o rumo das bóias. Gostaria de ter feito os 1500m em 30', saiu em 32'03.

Ciclismo - O vácuo era liberado, mas optei em fazer de cara para o vento, para deixar o mais próximo possível do que vou enfrentar daqui a duas semanas. Falando em vento, ele soprava forte. Fiz um pedal bem consistente, a média final ficou em 34,4km/h, bpm 169.

Corrida - Dei uma segurada no início, estava estranho, as pernas pareciam querer correr mais que o corpo. Depois que a corrida encaixou, fluiu tudo muito bem, fechei os 10k para 50'27", bpm 172.

Tempo total de prova 02:36:16, abaixo das 2:40:00 que eu esperava. Todos os resultados aqui.

A foto abaixo mostra que o esporte é muito mais do que apenas ganhar ou perder, ser o primeiro ou último, o melhor ou pior e que tempos, médias e paces.


No último retorno encostei no Henrique(dir. foto), acabamos correndo os últimos 2,5km juntos, curtindo a prova, batendo um papo, apenas controlando um adversário da categoria que vinha logo atrás. Na chegada ficou o empurra-empurra, passa vc, não vai tu e assim por diante. Depois de muita insistência de ambas as partes, cedi e cruzei na frente. Aproveitei a oportunidade, por que o homem sem treinar já não foi fácil buscar, treinadinho vou ficar a ver navios hehe.

Agradecimento em especial a Família do Henrique que nos acolheu espetacularmente em Osório e nos incentivou muito durante a prova.

Abaixo foto do pódio.






Rapidinha

Por questões de segurança, o ponto de encontro do pedal das 06:00AM é na Brigada Militar, nos dias de hoje não é bom ficar dando sopa por aí rs.

Como cheguei hoje antes do Henrique, subi a calçada, sem desclipar os pés, encostei-me na parede, e como fazia frio, cerca de 7º, e o sono dominava o corpo, me encolhi um pouco.

Alguns segundos depois ouço a porta da viatura que estava em frente ao regimento abrir e um Brigadiano falar: O rapaz, está passando bem? Virei para trás para tomar ciência do que acontecia e para minha surpresa o policial estava olhando para mim. E indagou novamente, tche tu tá bem? Chegaste do nada e te encolheste ai na parede!!! Dei uma risada e expliquei que estava apenas esperando a parceria para treinar, agradeci a preocupação e voltei para meu canto.

Viu, depois tem gente que diz que a Brigada Militar não é prestativa rs!!

Está chegando a hora

Depois de algumas semanas sem postar, voltei após tomar uma "mijada" do meu amigo Felipe, algo do tipo, "vai tomar vergonha nesta cara e atualizar o blog" rsrs, ainda sob a ameaça de trocar o meu blog por outro, então aqui estou hehe.

Sábado passado fiz uma rústica de 10k, que na verdade tinha 10,7k, feitos em 47'50'', pace de 04:28/km. Corrida bacana, gurizada toda lá, Felipe, Guilherme, Pedro e Décio.

Comecei a semana faltando quatro para o LongTri Brazil, com dois treinos desafiadores na planilha. O primeiro era de natação, 3900m. Estava bem "cagado" em relação ao treino, mas consegui realizá-lo sem quebrar, foram 5 x 200 - 6 x 400 - 500 solto, era o desafio que precisava para pegar confiança e fazer os 3000m, o prego não está afundando hihi.

O segundo treino começou com uma história.  Duas semanas atrás, quando estava ao telefone com meu pai, meu irmão perguntava ao fundo o quanto eu já tinha corrido. Eu respondi - "já corri 21k, mas acho que consigo mais", meu pai deu risada, e me falou que ele estava começando a correr, e fez 10 quadras e voltou morto, estava meio decepcionado, indaguei que no início é difícil mas depois a coisa flui  hehe. Desliguei o telefone e continuei no preparo da janta e comecei a refletir sobre o assunto, foi quando me dei conta que quando corri os 21k, tinha nadado 1.9k e pedalado 90k antes, acho que a decepção do meu irmão quando ler isto vai aumentar hihi.

Bom, voltando ao segundo desafio, hoje pela manhã fiz minha segunda meia-maratona. A planilha dizia "em ritmo de prova". Passei a semana inteira pensando no que seria meu ritmo de prova para 21k, essa falta de lastro te deixa meio confuso, mas no final acho que descobri meu "ritmo" de prova para a meia. Levei 1:46:32, pace de 05:04/km.

Amanhã a semana encerra com 90k de pedal com o que sobrou do corpo. Domingo que vem, a FGTRI realizará o Triathlon Cidade de Osório, talvez eu vá participar e fazer meu primeiro olímpico e pegar um "ritmo" de prova, já que a última que fiz foi em Pinhal.

Camera Man

Ando meio sumido, mas o desaparecimento tem explicação, treinos hehe. Venho de duas semanas de volumes razoáveis de treinos, então se não estou na piscina ou na rua estou comendo ou dormindo.

O último post foi sobre a bike nova, o garfo chegou e depois de cinco treinos com ela já posso afirmar, ela é sensacional!!!

Fiz um treino com o Cícero hoje, na estrada do Taim, ou a "Capilha". Estrada praticamente deserta, 80km feitos em cima da faixa, para não dizer no meio da faixa. O vídeo não está lá estas coisas, pois filmar e pedalar acima de 40km/h são duas coisas que não estou acostumado a fazer hehe. Mas o que vale é registrar o momento.


Olha a carinha do índio, feio que dói.


Aqui está o report do treino, proveniente do garmin do Cícero. Dá para notar que na ida, contra o vento foi um sofrimento, e a volta com o dito empurrando um passeio.

A Bela e a Fera



A coisa linda acima, de preto, branco e detalhes verde (estou falando da bicicleta hehe)  chegou na segunda retrasada, mas somente agora tive ânimo para postar algo sobre a bike.

A falta de vontade de escrever sobre o brinquedo novo tem um motivo bem específico, o garfo rachou em algum momento do transporte. Vai ser azarado lá na....

Final do mês é a previsão de chegar o garfo novo, até lá, é admirá-la meio que amputada fazendo um rolo com a bike antiga.

Tinha em mente em fazer um pequeno review da bike, mas como estou utilizando toda a virtude da paciência na espera da peça, então vou deixar os detalhes para algum momento do futuro (só para não dizer "não estou com saco algum", tá dito).

Mas ainda bem que comprei no lugar certo, tudo que li e me falaram do Max e da Kona Bikes, concretizou-se. São tudo isso e mais um pouco. Na manhã seguinte, que era feriado o Max respondeu meu e-mail, informando que já havia solicitado um novo garfo e dispondo-se a enviar um garfo provisório.

Quando colocá-la no seu ofício, a estrada, e a paciência apoderar-se deste corpo novamente, voltarei com as impressões e os detalhes da bela.

Férias + Prova

Uma semana após ter a confirmação que minhas férias seriam na segunda quinzena de novembro, recebi um e-mail da CBTRI com as próximas provas da instituição.

E estava lá, 28/11, na praia de Porto de Galinhas, em Pernambuco o Campeonato Pan Americano de Triathlon de Longa Distância. Bingo!!! A oportunidade perfeita, uma prova de longa distância, no período de férias, e num lugar para fazer média com a esposa.

A primeira etapa era convencer a Sra. Bravo, até que não foi das tarefas mais árduas hehe. Fotos do hotel, da praia e um pouco de beiço foram o suficiente para a idéia ser aprovada.

A segunda foi consultar o Coach, sobre as mudanças nos planos, do qual ganhei apoio total. Agora só aguardando a reestruturação dos treinos para a prova.

E a terceira e última foi um tipo de auto-convencimento. Convencer-me a nadar os 3km da prova. É muito chão, quer dizer mar, ainda mais que provavelmente será sem roupa de borracha, pois dificilmente a água estará abaixo dos 23º. Mas como quem não deve, não teme, inscrição feita.

As distâncias da prova são o dobro do triathlon olímpico, ou seja, 3km de natação, 80km de ciclismo e 20km de corrida.

Oportunidade também de antecipar (seria somente em março/11 no halfpunta) a estréia da bike nova, que ainda não chegou, mas que segundo o Max, esta semana deve estar em terras tupiniquins.

Com inscrição feita, passagens compradas e hotel reservado, agora foco nos treinos para fazer bonito em novembro.

Meias Lorpen


Recebi esta semana um par de meias da Lorpen para um teste drive.

O modelo que recebi foi o Multisport Coolmax Crew, igual ao da foto.

Eu particularmente já estava ambientado a correr sem meias, até mesmo nos treinos mais longos. Mas com a chegada do inverno, o hábito se torna inviável, o pé reclama direto hehe.

É uma injustiça querer comparar uma meia comum (essa que compramos 3 pares num pacote só) com a meia da Lorpen.

Só no colocar já percebe-se o perfeito encaixe no pé. A ponta da meia é feita de maneira para que não se machuque os dedos.

Com o tênis ela se mostra ainda mais confortável. Corri 8km, e a ventilação da meia é excelente, praticamente não tinha indícios de suor.

Testada e aprovada.

Mais informações, www.lorpen.com.br .

Troca-Troca

Talvez demorei 3 anos para perceber que tem algo nos treinos que me chateia. Mas não é especificamente no treino, e sim o antes e o depois dele, a troca de roupa.

Já notaram quantas vezes trocamos de roupa em um único dia, e quanto tempo perdemos com isso?

E no inverno que as coisas pioram, camisa, blusão, jaqueta, manta, luva etc...


Descrevendo um dia de treino da semana passada, tive as seguintes nuanças com a troca de roupas.

- Acorda tira o pijama.
- Veste abrigo, tênis, camiseta e jaqueta e vai ao clube.
- Tira abrigo, tênis, camiseta, jaqueta e coloca a sunga e piscina.
- Sai da piscina, tira sunga, banho e coloca abrigo, tênis, camiseta e jaqueta.
- Chega no trabalho, tira abrigo, camiseta e jaqueta, e coloca calça, camisa e sapato.
- Antes de sair do trabalho tira calça, camisa e sapato, e coloca abrigo, tênis, camiseta e jaqueta.
- Chega na academia e tira abrigo, tênis, camiseta e jaqueta e coloca calção, camiseta e tênis.
- Chega em casa tira calção, camiseta e tênis, banho, e coloca o pijama novamente.

É muito tira e bota num dia só. Algum dia ainda vou cronometrar essa troca-troca de roupas, pois daqui a pouco estou mais trocando de roupas do que treinando hehe.

O bom seria se fosse igual ao super-homem, dá um girada na cabine telefônica e pronto!!!

Só para você!!!

Meus amigos, desculpem-me mas este post é somente para o amor da minha vida.

Oi Piu-Piu. Parabéns pelo quinto aniversário de casamento.

Obrigado por sempre me acompanhar, apoiar, incentivar e torcer por este tripateta.

Desculpa por todas as vezes que abandonei a cama de madrugada para nadar. Por todos os almoços que perdi por causa dos longões de bike. Por todas as jantas que me atrasei por causa da corrida.

Desculpa por todas as vezes que sujei a casa com a bike, ou com os tênis imundos. Por todas as roupas fedidas que se acumulam na lavanderia.

Mas não te preocupa, vou fazer tudo direitinho no sexto ano. Irei acordar mais cedo, perder mais almoços, me atrasar mais vezes, sujar novamente a casa e dobrar o número de peças sujas na lavanderia.

E com certeza ano que vem, estarei aqui te agradecendo e pedindo desculpas novamente.

Te amo muito!!!!

Obs: vou aproveitar e te contar uma coisa, a bicicletinha nova, vai dormir na sala hehe.


"Driblando" o inverno Gaúcho!!!

Não tem jeito, para driblar o inverno aqui do sul de muito frio, chuva e vento, só com treino indoor.




Recomeçar!

Depois de dois longos meses afastado das atividades físicas quase que por completo, devido a tal da banda do iliotibial, consegui fazer as pazes com a "moça" e estou de volta.

Não vai ser fácil pegar a rotina dos treinos novamente, ainda mais que o inverno por aqui chegou de vez. Mas como diria o Deco "não tá morto quem peleia", vamos novamente, um passo de cada vez, até recuperar minha "invejável" forma física hehe.

Embora já tenha corrido 3 vezes na semana que passou, ainda vou freqüentar a fisioterapia em mais três oportunidades, para fazer os últimos ajustes.

No sábado resolvi reconciliar-me com a piscina, o que não foi fácil. Perdi todo o tato (e olha que não era muito) que tinha com ela, resultado, 1400m sofríveis.

Domingo, oito da matina pelotão partindo para a estrada de rio grande. Álvaro, André (estreando a trek), Michel, Braga, Fabrício e Morango compunham o mesmo. Aqui as coisas andaram melhor, na ida forçando um pouco a favor do vento, e na volta só girando, com os dedos dos pés congelados por causa do frio. Saldo, 84km em 03:39:00 de pedalada.

Estou voltando a treinar com orientação profissional, mas isso é assunto para o próximo tópico.

Dextro Energy - Chegada de prova de 100m!!!!

Chegada sensacional da prova de Seoul que ocorreu no domingo passado.



obs: O joelho tá quase bala!!!!

Se meus joelhos não doessem mais....

Se meus joelhos não doessem mais.... bem que gostaria de estar apenas cantarolando a música do O Rappa, mas o infeliz do tendão do joelho esquerdo insiste em lembrar-me do refrão.

Finalizei o Triathlon de Longa Distância do RS, com o dito na miséria, infelizmente uma semana de descanso e uma de reforço muscular e treinos bem leves não foram o suficiente para curá-lo.

No sábado resolvi fazer um longão, de leve, com direito a mp3. Quando o cronômetro marcava 1h20min de corrida, cerca de 16km, simplesmente de um passo para o outro a dor chegou e não foi mais embora. A essa altura eu tinha companhia do Horácio, diminuímos o ritmo, mas de nada adiantou.

O "Rambo" aqui, cabeça dura, ainda correu até a ponte que vai para o Laranjal, cerca de 20km local onde desamarrei o coturno, desamarrei a faixa e joguei a faca fora hehe.

Caminhei por 3km, até a Vivian me ligar e eu pedir o resgate. Caminhada da incerteza, ou da certeza que não vou ao Long Distance de Criciúma e nem a Maratona de Poa.

Agora é trocar tênis, short e camiseta por gelo, pomada e anti-inflamatório, e esperar o indivíduo convalescer (crédito a cunhada Aline Peter hehe) para tomar uma decisão em relação a próxima prova.

Pastilhas Suum
















No início do mês recebi um e-mail do Sr. Marcus que trabalha na empresa Proativa, informando que estavam cadastrando blogs e blogueiros que tivessem interesse em fazer avaliação de alguns produtos representados pela marca.


Os produtos que a Proativa representa aqui no Brasil são:


Deuter (www.deuter.com.br)

Princeton Tec (www.princetontec.com.br)

Sea to Summit (www.seatosummit.com.br),

Lorpen (www.lorpen.com.br)

Primus (www.primusbrasil.com.br)

Suum (www.suum.com.br)

Liofoods (www.liofoods.com.br)


O produto que foi mandado foi o repositor hidroetrolítico em pastilhas SUUM.


São pastilhas individuais que devem ser colocadas em 500ml de água, são dissolvidas rapidamente ficando pronto para o uso. O sabor é de limão, com um gosto bem agradável.


O produto cumpre bem o prometido, re-hidrata rapidamente os componentes perdidos durante a atividade física.


A praticidade do produto é outro ponto forte, pois não são todos os locais que vendem isotônicos e afins. Utilizei o produto em dois treinos, o primeiro num intervalado de corrida, onde levei a pastilha no bolsinho do calção. Foi só pegar a garrafinha de água no carro e pronto.


No segundo foi num longão de bike, onde a probabilidade de achar um ponto de venda de repositor hidroetrolítico diminuem consideravelmente.


Produto testado e aprovado.


Para quem quer mais informações é só acessar www.suum.com.br


O produto saiu na revista Runner´s deste mês.




Triathlon Longa Distância Rio Grande do Sul


No sábado partimos eu, Michel e Kiko rumo ao Balneário Pinhal para a prova do Triathlon Longa Distância Rio Grande do Sul.

Viagem tranquila, muito papo, muito pedágio, muita direita ou esquerda e 60km a mais percorridos até Pinhal hehe.

No "charmosíssimo" Hotel Navegantes nos hospedamos, onde as únicas estrelas que possuía eram nós os triatletas, ou no nosso caso os tripatetas, ou ainda em relação a prova, mais loucos do que atletas.
Trocadilhos a parte, por lá estavam desfrutando do mesmo conforto o Marlos de Rio Grande, que nos tranquilizou com toda sua experiência de Pinhal, Rafael que tive o prazer de conhecer pessoalmente e Deco com todo seu "gaúches"característico.

Ainda tive a oportunidade de conhecer o Sr. Humerto, figura rara, grande ciclista. Veio de Motor-Home de Rio Grande para ver a prova, e tinha um arsenal de magrelas no bagageiro de dar inveja.

Acordamos cedo, fizemos os últimos preparativos, tomamos café e fomos pedalando até a largada. Neste pequeno trajeto sentimos o que nos aguardava, o vento, que já soprova forte.

A natação ocorreu na Lagoa da Rondinha, que por causa do vento estava cheia de marolas e com uma certa correnteza.

Larguei mais atrás para evitar o vale-tudo, tracei como estratégia fazer a primeira volta sem forçar, mas o nado estava complicado. Estava difícil de orientar-se devido a correnteza e as marolas que vinham de frente entre as bóias 2 e 3, o que resultava, inevitavelmente, em uma "hidratação" forçada.

Na segunda volta forcei um pouco já que estava me sentido bem, mas não adiantou muito em relação à tempo, esforço em vão, pois ainda apanhava para acertar o rumo das bóias.

Saí da água com 47min, esperava um tempo melhor, mas foi o que deu para fazer. Um trotinho bem leve na transição, sem pressa, já mentalizando os 90km que vinham a seguir.

Saímos para o pedal já com o vento na cara, indo contra e voltando a favor. O ciclismo foi duríssimo, fiz muita força para pedalar acima de 22km/h no trecho de vento contra.

Comi e bebi de acordo com o que tinha anotado na bike, fiz um lembrete e colei no quadro, funcionou como o esperado. No final do pedal já sentia um desconforto no joelho, e já tinha dificuldade de me manter clipado, pois a lombar incomodova e a bexiga dava sinal que precisava esvaziar.

Terminei a etapa com um pouco mais de 3 horas, tinha como meta 30km/h de média, faltou pouco para atingir, mas pelas condições do vento acho que saí no lucro.

Mais uma transição tranquila, e saí para a corrida com a lombar me castigando. Já no primeiro posto de hidratação veio a salvação, copinhos com coca e gelo, joguei o refri fora e coloquei o gelo dentro do macaquinho na região da lombar, repentido o processo mais duas vezes me livrei das dores lombares.

No final da primeira volta, a vontade de urinar era muito grande, e para não perder tempo já que estava de macaquinho e seria meio complicado desprender-me do aparato, resolvi tomar uma medida extrema (para não dizer meio porca), peguei um copinho de água e fiz xixi correndo jogando água em cima das "partes" para disfarçar e alivar a ingrata sensação. Na terceira volta o feito se repetiu, agora um pouco menos envergonhado pela situação hehe.

Passada as complicações urinárias, entrei na quarta volta com joelhos, tornozelos e pés entrando em colapso.

Quando apontei para a quinta volta, o cronômetro marcava 5h35min de prova, então teria que percorrer os 4200m finais em menos de 25min para terminar antes das 6h. Muita cara feia na última volta e finalizei minha primeira meia-maratona.

Tempo total de prova 5:57, missão cumprida, dolorido, cansado, suado e mijado hehe.

Prova muito bem organizada pela FGTRI, que está de parabéns, pena que ainda não divulgou os resultados.

Pinhal com certeza é uma experiência que se leva para a vida toda.















Só faltou a máscara do Batman

O Batman andou pelo Laranjal hoje hehe!!! Me senti o homem-morcego com a roupa de borracha, só faltou a máscara!!!


Brincadeiras a parte, fiz meu primeiro treino com o equipamento, gentilmente cedido pelo amigo Felipe, que usou somente no Half-Punta e na noite de ontem me deu uma aula de tira e coloca (que é uma verdadeira ciência) me deixando mais tranquilo para a primeira experiência com a roupa.


Fiz um treino de 45min na lagoa, a qual estava cheia de marolas e com uma correnteza em direção ao trapixe.


O início foi difícil, braços travados, o pescoço apertado, respiração difícil. Mas foram necessários apenas dez minutos para uma melhor adaptação que o nado ficou solto.


A roupa ajuda muito na flutuação, a batida de perna fica lá em cima. No retorno, nadando contra a correnteza, tive que forçar um pouco, e o nado continuou fluindo bem, apesar do braço já começar a ficar pesado, devido a esforço um pouco maior para fazer a braçada.

Espero conseguir nadar ainda duas vezes antes da prova, para tentar me adaptar o máximo possível e amaciar um pouco a roupa, já que foi usada pela segunda vez hoje.


Amanhã o último treino de transição, bike + corrida.


A ansiedade já toma conta da rotina, tudo gira em relação a prova. Semana dos últimos ajustes, depois é só pegar a estrada rumo a Pinhal e curtir o domingo, percorendo 1,9km, 90km e 21km.

Equilíbrio

A menos de duas semanas para a prova em Pinhal, finalmente encontrei o equilíbrio entre trabalho, família e treinos.

Realizei todos os treinos previstos, 3 de natação, 3 de bike e 4 de corrida. Trabalhei como nunca, e ainda consegui ficar mais tempo em casa, com direito a saídas para jantar.

Estes fatos foram provenientes de uma simples troca do treino de natação. Antes nadava as 07:00 da manhã, muitas vezes cansado da corrida ou do pedal da noite anterior, os quais eu terminava já tarde pois tenho saído para treinar sempre pós 20:00. Estiquei um pouco o horário do almoço e estou nadando ao meio-dia, assim ganhei quase duas horas de sono e mais disposição.

Não tenho ficado preocupado em dormir tão cedo, podendo tocar a rotina diária com mais calma.

Outro resultado da mudança senti hoje, foi a primeira vez que não fiquei acabado na segunda-feira depois de um final de semana intenso de treinos. Na sexta foram 18km de corrida, sábado 90km de pedal e no domingo 85km de bike e 8km de corrida, chegando em casa malito na foto.

Hoje já nadei e daqui a pouco estou indo para um recovery de 12km de corrida.

Consegui emprestado do amigo Felipe a roupa de borracha, esta semana vou pega-lá para um processo de adaptação para não ter surpresas no dia da prova. Acredito que se não nadar mais rápido, ao menos economizarei energia no Deus nos Acuda que é minha natação hehe.

Agora é fazer tudo certinho esta semana e depois só ajustar a máquina para o dia da prova.




Atualizando

Com certo atraso venho falar da prova de triatlo do Laranjal que ocorreu no dia 07/02.

Antes de falar da prova, gostaria de agradecer a torcida da família, do Álvaro, Horácio e Tanizia.


E também todos os amigos que participaram: Felipe, Michel, Cícero, Paulo, Betinho, Kiko, Rafael, Deco, Stephanie e o pessoal de Rio Grande. Acho que está todo mundo.

Além da largada já ser tarde, atrasou 30 minutos, então caímos na água 11h00min. Resolvi largar no meio do bolo, fui até a primeira bóia me debatendo com outros atletas, depois dispersou e consegui nadar tranqüilo. Fechei os 750m em 16:53, dentro da minha “anormalidade” na água hehe.



No ciclismo fui bem, fechei os 20km, ou quase isso em 36:52. Chovendo no molhado, digo que poderia ter ido melhor, mas pelo fato de sair mais atrás d água, metade do pedal fiz sozinho, sem conseguir revezar com ninguém.


Na corrida o negócio complicou, o calor pegou. Tinha esperança de repetir os 22:35 de Tramandaí, mas não deu, fiquei nos 24:24.


Saldo final de 01:19:55, meu melhor resultado no triatlo, da minha longa carreira esportiva hehe.

A semana seguinte (08/02) começou com um recovery de 12km de corrida e na terça um treino na lagoa de 2000m junto com as algas que tomaram conta da lagoa. No dia seguinte o jornal local noticiou que estas algas poderiam acarretar problemas estomacais , não deu outra, ainda não consegui me recuperar totalmente, meu estômago parece uma montanha russa, oscilando entre altos e baixos.

Na quarta fiz 8 tiros de 1km, e sexta 15km de corrida. No sábado a enfermidade atingiu o ápice e fiquei malito. Domingo pela manhã dei um W.O no Cícero no pedal, mas não resisti e saí para o treino a tarde, 90km de pedal em 03h20min.

Hoje não consegui treinar, trabalhei das 8 ás 20, sem moleza no carnaval.

Amanhã treino de transição com o Michel, 90km + 9km. Mais uma oportunidade de testar alimentação/hidratação para a prova.

Ótima noticia foi que ganhei companhia em dobro para o Long Distance, tanto na prova, como na viagem, Michel e Kiko resolveram fazer a prova também, estaremos representando o “extremo sul do estado” juntamente com o Marlos de Rio Grande.

Uma imagem vale mais que mil palavras!!

Pela bike acho que dá para deduzir de quem é as pernas heheh.




Long Distance Pinhal - Semana 5

Metade do caminho percorrido, agora só faltam cinco semanas para a prova.

Não tenho treinado o que deveria, mas sempre que possível. Talvez isso tenha me deixado um pouco ansioso, tenho pensado muito na prova, sendo que estou totalmente desligado do sprint do laranjal no próximo domingo.

A semana não foi das mais fáceis, fiz um treino de pista na quarta, sofrído! Me alimentei mal durante o dia, meia hora antes do treino comi um enrolado de salsicha, que acabou piorando a situação, 7 x 1km malito na foto, mas foi.

Na sexta, fiz 14km na chuva, dando voltas na praça, o Cícero me acompanhou por 40min e o restante completei solito.

Final de semana o pedal rendeu, apesar do calor forte, dois treinos balas.

Sábado, 66km num ritmo muito bom + 5,4km de corrida com o Cícero. Domingo fiz 87km, de giro, sem passar de 140bmp. A média acabou ficando em 28km/h, fiquei mais tranquilo em relação a bike, depois de fazer esta média sem forçar.

A semana completa foi assim:

Segunda 25/01
Natação 2500m

Terça 26/01
Bike 41km

Quarta 27/01
Corrida 9,4km

Quinta 28/01
Natação 2100m

Sexta 29/01
Corrida 14km

Sábado 30/01
Bike 66km
Corrida 5,4km

Domingo 31/01
Bike 87km

Total
Natação 4,6km
Bike 193km
Corrida 28,6km

Vamos ver o que rola domingo no Laranjal.

Long Distance Pinhal - Semana 4

A luta foi imensa, mas a gripe conseguiu vencer uma das batalhas. O corpo gripado resistiu bravamente a 9,6km de um treino de pista, 2000m de natação, 20km de corrida e 65km de pedal e ainda tinha o longo de bike no domingo.

No domingo, relógio despertou 7:15, levantei fui até o cozinha, copo de água, ataque de espirro e um berro no quarto - "volta para a cama que não vais sair para treinar assim", mas como a última palavra em casa sempre é minha, fui..mas fui mesmo... sem pestanejar, destemido, como um guerreiro samurai indo para guerra, contrariando aquela ordem mortal, fui...fui no banheiro, assoei o nariz e fui...de volta para a cama bem quietinho hehehhe...domingo off.

Hoje levantei bem melhor, decisão acertada, treino noturno de natação hoje.

O treino da semana foi o seguinte:

Segunda 18/01
Natação: 1800m
Corrida: 9km

Terça 19/01
Natação: 2100m

Quarta 20/01
Corrida: 9,6km

Quinta 21/01
Natação: 2000m

Sexta 22/01
Corrida: 20,1km

Sábado 23/01
Pedal: 65km

Total
Natação: 5900m
Pedal: 65km
Corrida: 38,7km

Essa semana vou ter que fazer milagre e encaixar dois treinos de ciclismo na semana. O milagre leia-se, acordar 05:30 da matina.

Registrando treinos



Hoje levantei com um princípio de gripe, garganta arranhando e constipado. Resolvi adiar o treino das 7 da matina de natação para amanhã.

Mas fiz um treino de pista a tardinha, junto com o Felipe, treino show de bola (nem sei pq uso esta expressão, no triatlo nem bola tem heheh), registrado abaixo:




1200m - aquece

9 x 800m

sendo

3 x 800m 160bmp - 00:03:57 - 00:03:59 - 00:04:00

3 x 800m 165bmp - 00:03:53 - 00:03:55 - 00:03:47

3 x 800m 170bmp - 00:03:44 - 00:03:37 - 00:03:31

1200m - solto

Amanhã vou descobrir quem matou quem! Se o treino matou a gripe, ou a gripe que vai matar o treino de amanhã.

Long Distance Pinhal - Semana 3

Mais uma semana de treinos, meio quebrada, pois não consegui treinar na sexta devido ao trabalho, e no sábado um misto de tempo, família e tarefas domésticas heheh.

Hoje o treino foi puxado, o pedal foi até Morro Redondo, como o próprio nome já diz, morro, muita subida. Na volta tive um pneu furado, e outro estourado, vou ter que benzer a roda traseira hehe. O pelote foi composto por Felipe, Álvaro, Michel, Cícero e Pc.

Cheguei em casa 13:30, e ainda teria que correr 40min, o sol estava de rachar, e as pernas um bagaço das subidas. Fiquei no vou, não vou,vou, não vou e fui...

Corri no mesmo local onde geralmente corro durante a semana, a Dom Joaquim, que estava bem diferente do habitual, vazia! Também, domingo, 13:30 e um maçarico no céu.

Corrida foi sofrida, talvez a mais dolorida que já tive. Os bpm ficaram em 165 sem forçar em momento algum. Mas valeu.

Tenho que dedicar mais volume a natação, vamos ver se esta semana rola.

As distâncias da semana foram:

Segunda 11/01
Natação: 2500m

Terça 12/01
Corrida: 13km

Quarta 13/01
Natação: 2100m
Bike: 40km

Quinta 14/01
Corrida: 16,20km

Domingo 17/01
Bike: 83km
Corrida: 6,6km

Total:
Natação: 4,6km
Bike: 123km
Corrida: 35,9km

Long Distance Pinhal - Semana 2




A semana foi puxada, não tanto pelos treinos, mas sim pelo trabalho. Apesar de turbulenta, fiquei satisfeito com os treinos, perdi somente um de natação que estava programado.







A distâncias foram as seguintes:

Segunda 04/01
Corrida: 10,5km

Terça 05/01
Bike: 28km
Natação: 2,4km

Quarta 06/01
Corrida: 12km
Natação: 1,7km

Quinta 07/01
Corrida: 15km

Sexta 08/01
Off

Sábado 09/01
Bike: 75km

Domingo 10/01
Bike: 105km

Total
Natação: 4,10km
Bike: 209km
Corrida: 37,5km

Domingo, os 105km de pedal foram feitos no Desafio da Costa Doce. Senti a semana de treinos no desafio, poderia ter rendido muito mais, mas o foco é Pinhal, então rendimento agora é mero detalhe. Sem contar que esqueci os "special needs" no carro, pedalei 75km só na água, o que me salvou foi uma bolacha recheada genérica que o Álvaro (Rei da Montanha) me comprou no boteco na beira da estrada.

Algumas fotos do desafio, com a presença da parceria é claro: Felipe, Álvaro, Cícero, Michel, Braga.










Cumpleaños

Há 75 anos nascia o Rei do Rock, Elvis Presley, há 31 anos nascia o Rei do Triathlon, Pablo Bravo, quanto coincidência né?, dois Reis nascendo no dia 08/01 hehehe.

Brincadeiras a parte, ganhei de aniversário da minha chefe de equipe, esposa amada, a inscrição para o Triathlon Rio Grande do Sul de Longa Distância - Agora não tem volta, é treinar para chegar em condições de completar a prova dentro dos objetivos traçados.

Para o pessoal da região que ainda não sabe, fica o aviso: o desafio da costa doce - ponte do império, foi transferido para este domingo 10/01. A distância é de 110 km, com saída as 09:00 lá do nobre. Todo mundo lá....

Long Distance Pinhal - Semana 1

Esta semana dei o ponta-pé inicial nos treinos para o Long Distance de Pinhal que ocorre em 14/03 no Balneário do Pinhal no RS.

Devido a queda na escada no sábado, minha semana começou na quarta, pois minha perna ainda doía bastante.

Corri apenas uma vez na semana. Mas consegui pedalar três vezes, com distâncias razoáveis, algo que não conseguia desde 01/12.

Em duas oportunidades pedalei com o Alváro, sendo uma delas junto com o Paulo Goulart, que voltou com a gente dizendo que iria devagar, nos puxou contra o vento, acima de 40km/h, com um mero detalhe, o homem estava de MTB, com todo respeito que tenho por ele, tive que mandá-lo longe na despedida hehe, e na terceira com o amigo, parceria de triatlo, o Felipe.

Felipe, que me levou depois do pedal para um treino de natação no Arroio Pelotas, lugar muito bom para nadar. De quebra ainda ganhei umas dicas para melhorar meu nado. Nadei mais duas vezes, sendo um treino na piscina e outro na Lagoa dos Patos.

A distâncias foram as seguintes:

Quarta 30/12
Natação: 2500m

Quinta 31/12
Corrida: 16,6km

Sexta 01/01
Bike: 60km

Sábado 02/01
Natação: 2000m
Bike: 85km

Domingo 03/01
Bike: 60km
Natação: 1200m

Total
Natação: 5700m
Bike: 205km
Corrida: 16,6km

Espero conseguir dar sequência nos treinos esta semana para não quebrar o ritmo.

Esta semana quero ver se faço a inscrição para a prova, uma maneira de manter-se focado no objetivo, sem falar que depois de pagar R$ 300,00 (nem vou entrar no mérito do valor da inscrição) não tem mais volta, é treinar do jeito que der, quando der, com sono, cansado etc.

Eu iria falar dos objetivos da prova em outro post, mas como o tempo está tão escasso, vai agora, curto e grosso.

1º - Terminar a prova.
2º - Fazer uma prova equilibrada dentro das minhas limitações. Natação abaixo de 45' - Pedal abaixo de 3 10'00" - Corrida abaixo de 1 50'00". Total abaixo de 5 45' 00".
3º - Curtir ao máximo os 1,90km - 90km - 21km.

É isso aí, até a semana 2, na certeza de muitos km a mais nas costas.