"Quando o coração tem uma missão, o corpo ganha vigor"

Respeito


Depois de ler a notícia do acidente da Tatiane Gorski, me perguntei o quanto vale a pena continuar pedalando em vias públicas, pois já é sabido do descaso de motoristas e autoridades. A pouco mais de um mês quase sofri um acidente quando vinha por uma ciclovia a quase 40km/h e um motorista entrou ciclovia a dentro, sendo que quase me espatifei num muro com arame farpado. Depois do ocorrido desisti da ciclovia. Mas o problema é que nas rodovias, avenidas e ruas o desrespeito é igual ou maior.


Quantos acidentes, fraturas, quedas ou o pior, mortes, terão que acontecer para que um pouco de sã conciência afete nossos motoristas. Eu ando de carro, moto, bike e a pé, tento respeitar todos os elementos do trânsito, mas na selva de pedra é cada um por si.


Cada vez mais me convenço que a solução é treinar no rolo, mesmo que não há coisa mais sem graça em não sentir a sensação de velocidade, o vento no rosto, pegar um subida e passar dos 50km/h numa descida, entretanto os acontecimentos te forçam a treinar dentro de um quarto.


Que a Tatiane possa vencer essa batalha, e logo voltar a fazer o que ela faz de melhor, nadar, pedalar e correr.

4 comentários:

Não tenho rolo e se tivesse treinaria na garagem escura, coisa mais sem graça que dançar com a irmã. Para não falar no suador que ficaria...
Bueno, nem tudo está perdido, acho que com a pavimentação do resto da orla, teremos um circuito de tamanho razoável para pedalar, quem sabe outra hora tu mede a distância total de uma volta inteira do final da nova pavimentação do resto da orla até o final do asfalto da j. maria da fontoura? Uma volta completa deve dar uns...7 km talvez?

Fala Rodrigo! Se pegarmos a orla e o trecho asfaltado da Maria da Fontoura ida e volta da 5km, apesar de 4km ser daquelas pedras, vais ser um lugar razoável para treinar cedinho da manhã! Abraço e melhoras nos tendões!

Meu amigo Pablo é uma pena ter acontecido isto com a Tatiane vamos torcer para que ela melhore logo e volte a fazer o que ela mais gosta de fazer, mais nem tudo é flores acesse o blog da minha amiga Ana de São Paulo www.vozdoavesso.blogspot.com ela noticia lá que uma senhora chamada sss sempre ia para o trabalho de bike e não gostava de ir de carro ou onibus para o trabalho e um infeliz motorista de onibus acelerou o onibus e atropelou a e acabou falecendo a mulher é uma pena ter acontecido isto, mais realmente estamos a merces desses fanaticos do transito.

Um abraço,

JORGE CERQUEIRA

Eu acho que tudo isso é lamentável. Não sei se a pessoa que estão se referindo é a mulher de 42 anos que faleceu em SP nesta semana. Quanto mais somos conscientizados sobre a importancia de andar de bicicleta e os beneficios que essa atividade faz não somente à saude como ao transito, tragedias como essa nos fazem pensar. Eu utilizo a bicicleta para ir ao trabalho diariamente e por muitas vezes tambem me senti ameaçado pelo transito... Eu acho que nao podemos parar, não podemos nos confinar dentro de quatro paredes pedalando artificialmente. Essas pessoas que morrem padalando não podem perder suas vidas em vão. Aqui em SP muito se falou a respeito da morte dessa mulher durante a semana e eu confio que muito pode melhorar. Abraços a todos e boas pedaladas.

Postar um comentário

Obrigado por visitar Bravo Triathlon