"Quando o coração tem uma missão, o corpo ganha vigor"

No mundo dos corredores


Lendo um comentário no blog do Jorge, no qual ele cita as dificuldades que alguns atletas enfrentam para correr, resolvi fazer um relato da minha percepção do mundo dos corredores.


No último domingo foi minha primeira prova que corri e acompanhei ao vivo, assim pude presenciar em sua maioria pessoas simples e humildes, que provavelmente abdicam de muitos caprichos para poderem comprar um tênis, para treinar e competir. Eu estava ali de asics, regata e boné do momento, e muitos com aquela regata e calção surrados do treinamento do dia a dia, o tênis, de uns rasgados, de outros talvez não tão propícios para uma corrida, mas uma coisa é certa, quando alinhamos para a largada, lado a lado, esses detalhes não fariam a menor diferença, eram todos de carne e osso, correriam os mesmos 10 km, enfrentariam o mesmo vento e areia.


Às vezes eu acho que faço um esforço danado para treinar três modalidades, mas graças a uma combinação de esforço e oportunidade, hoje tenho condições de ter alimentação, suplementação, local, equipamentos etc. para treinar e competir, mas e alguns, que na maioria não pela falta de esforço e sim de oportunidades, não tem as condições mais próprias de treinar e competir, esses sim são os grandes exemplos, os verdadeiros vencedores.


Durante a prova duas situações me chamaram a atenção, a primeira foi no momento que vinha atrás de pelotão que se aproximava de um posto de hidratação, que devido à grande quantidade de corredores que passavam juntos, não conseguiram abastecer a todos com água, e foi quando aqueles copos de água começaram a passar de mão em mão, mesmo sendo adversários, achei o gesto grandioso. Outro detalhe que me chamou a atenção foi no final da prova, quando já me aproximava do pórtico de chegada, os primeiros colocados da prova vinham em direção contrária com copos de água na mão, oferecendo a aqueles que estavam na corrida, é, esses venceram duas vezes aquele dia.


E para fechar mais um relato, já na premiação bem ao meu lado um rapaz que pelos trajes se mostrava uma pessoa humilde (hábito horrível de julgar as pessoas pelo que tem e não pelo que são) foi chamado para o pódio, acho que em segundo lugar, e vibrou muito, com direito a soco no ar e tal, e na hora o imbecil aqui pensou, pô, que festa para um segundo lugar, já com aquele ciúme, pois achava que nem ia pegar um pódio, então o rapaz recebeu a premiação e voltou ao seu lugar, e continuou acompanhando a premiação, e de repente entendi a alegria dele pela colocação, um colega de equipe estava no pódio e ele gritou “Hooo Nego vai pra POA também!!!, a ficha caiu na hora, a colocação dele dava direito a final em Porto Alegre, com transporte, alimentação e estadia em hotel 5 estrelas custeados pelo SESC. Talvez se não fosse pela corrida, qual oportunidade que ele teria de ir a capital do estado com estas mordomias, acho que mínimas.


Fiquei muito feliz, pois além do meu resultado pessoal, tive a oportunidade de ter convivido com o clã dos corredores, e tirar lições preciosas para minha vida. E se o companheiro que estava ao meu lado algum dia ler este post, o “nego” aqui vai estar em POA também e espero te encontrar para te agradecer por mudar um pouco essa cabeça dura (minha mulher que diga)!!!

8 comentários:

hehehe parabéns, você captou bem o espírito de uma corrida, seja bem-vindo ao clube!

Minha primeira corrida foi de 15 km (até hoje não sei o que me deu na cabeça pra encarar logo os 15km, sendo que tinha a prova de 5km), e no km 8 eu ja nao aguentava mais, entao fui perdendo rendimento, e todos que por mim passavam, TODOS, percebendo que eu estava "abrindo o bico", davam palavras de apoio, mostravam certa preocupação. Eu não completei a prova, mas esse tipo de atitude que recebi foi inesquecivel... Atitudes que no futebol não se acha... Muito importante o que seu texto. Abraço

É, bem vindo ao clube, como dsse o Rodrigo... O mundo das corridas é um mundo a parte... ao mesmo tempo que todos são adversários, todos são companheiros.

Abração!

Bem vindo ao Clube. A minha 1º prova foi de 15 kms e nunca mais parei.

Fala amigo velho, como q anda?? Ou melhor, como corre??? heheheheh!!!
Cara, legal teu comentário, serve para ligarmos a teclinha da humildade também e agradecermos um pouco pelo que acontece conosco, muitas vezes com uma certa facilidade que nem damos tanto valor. E, não raras vezes, as mesmas oportunidades são vistas com outros olhos, com outra dedicação e será porque não, com outro sofrimento para serem alcançadas por outros amigos... O que não pode ser perdido nesse caminho é a gratidão ao Paizão lá de cima, a garra para chegar onde chegamos ou chegaremos e o companheirismo para chegarmos juntos, independente de raça, cor, credo ou status financeiro.... Um abração e sucesso. Ah, foi a primeira corrida? Parabéns mesmo, e que seja a primeira de uma enorme série... Bye

Grande Pablo, bom dia camarada, agradeço por citar o meu nome aqui no seu blog e fico feliz que através do que eu tenho feito em prol dos corredores, abriu sua mente é isso ae amigo parabéns também pelo relato e fico feliz em saber que através de sua 1ª corrida vc pode constatar que tem muitos corredores humildes e vc pode constatar também o amor pelas corridas que eles tem e realmente nós que temos um pouco de condições de comprar um tênis novo, alguns apetrechos de corridas novos e etc...devemos agradecer a Deus por estas condições não é mesmo e com certeza amigo já que vc fez a sua 1ª corrida, esta será a 1ª de muitas que vc fará.

Um forte abraço e continuação de boas passadas.

JORGE CERQUEIRA

como já escreveram em alguns comentários ai em cima... "Bem vindo ao clube" hehe.

acho que o espírito do mundo das corridas é esse mesmo. ao mesmo tempo que as pessoas são adversárias elas são colegas, um ajuda o outro. e é bem como tu citastes no teu texto, talvez esse cara que ficou em segundo não tivesse a chance de vir para a capital com essas mordomias se não fosse a corrida.

abraço,
Stéphanie

Legal Pablo esta tua sencibilidade. Nós, iniciantes no triatlo ou nas corridas de rua sabemos que um equipamento bom faz muita diferença e o triatlo, porisso, torna-se um esporte elitista. As corridas de rua conseguem nivelar um pouco. E o que mais pesou na hora de decidir entrar para este mundo foi o ambiente de camaradegem que encontrei. Abração

Postar um comentário

Obrigado por visitar Bravo Triathlon